Gastronomia

Fim de Ano! E agora?

21 dez 2018 • por Nina Kauffmann • 0 Comentários

Fim do ano chega a ser engraçado, as pessoas são facilmente dividias em dois grupos. Tem a turma dos que se desesperam e querem o corpo e a saúde daqueles que se cuidaram os outros onze meses em apenas um mês, e tem aqueles que jogam tudopro alto, afinal, o ano está acabando, porque começar agora e sim naquela segunda-feira de janeiro, não é mesmo?

Mas o que realmente é capaz de botar tudo a perder é o fatalismo, o tudo ou nada. Vivemos em uma época onde o melhor virou inimigo do bom, aquele cenário clássico que ou eu faço o extremo, da manteiga clarificada do leite da vaquinha mimosa e feliz criada solta pela senhorinha com conhecimentos milenares, do sal colorido da terra mais pura e bem energizada, ou já que não se pode ter o melhor, não se faz nada, e come aquele biscoito recheado mesmo, e está tudo certo! Ops, radicalizei.

Não, não está tudo certo. O segredo é não entrar em nenhuma dessas turmas, é abrandar a cobrança ou não jogar tudo pro alto, o caminho do meio é o ideal e “pegue leve consigo mesmo. Imagine, que ficar fora desses rótulos é unir o útil ao agradável epague pra ver a história do equilíbrio!

Afinal, alimentação boa mesmo, é aquela que você consegue viver com ela, a tal, que sente bem estar e alegria no alimentar, aquela que favorece o seu estilo de vida, sabe? Onde “furos” são aceitáveis, matar desejos pontuais são aceitáveis, e na próxima refeição voltar ao saudável, e Ok.

O que importa é o todo, e não o detalhe, natal, ano novo, festa de fim de ano da empresa, aniversário, entre outros, são detalhes de um todo.

Não é a farofa da tia, e nem a rabanada da vó, que são osproblemas, isso faz parte dos detalhes. São todas as outras escolhas do TODO no processo de um ano inteiro, que temos que pensar, como: evitar refrigerante, embutidos, processados e ultraprocessados, açúcares e doces industrializados. Colocar um pouco de cada grupo alimentar em todas as refeições,  comer com fome e não porque está ansiosa(o), com medo, sem fazer nada, de folga, é que vai trazer o equilíbrio!

O bom, é melhor do que o fatalismo, o extremo da restrição, ou do largar tudo. Se o seu melhor é 70%, tá ótimo, os 30% são detalhes que podemos viver bem com eles.

Tenham um ótimo fim de ano, com equilíbrio e gostosuras!!!!

Isabela Castro

Natural Chef

Terapeuta Ayurvédica

Comente Aqui
Posts Anterior
Próximo Post