Moda

O sapateiro que fabricava sonhos

22 abr 2020 • por Paula Bedran • 0 Comentários

Sapatos sustentáveis ao máximo, que beneficiam redes solidárias pelo Brasil todo, e ainda contribuem com a arte…seria uma utopia? Não só é realidade como tem nome, endereço e uma história incrível por trás. Esta é a Linking Dotz, uma marca de sapatos vegana idealizada pelo argentino Rodrigo Doxandabarat, uma das pessoas mais interessantes que você vai conhecer. Rodrigo é um ex-ativista que estreou sua trajetória ativista bastante cedo, quando com apenas 18 anos saiu da Espanha aonde morava para tentar conhecer o Nepal. A viagem acabou se transformando numa peregrinação de 2 anos por 30 países, repleta de atos humanitários e participações em projetos sociais. Porém foi apenas em 2003, durante a guerra do Iraque que ele uniu pela primeira vez seus ideais ativistas com a moda, num projeto de recreação para as crianças da guerra, financiado pela marca Alemã Strenesse. 4 anos depois Rodrigo se mudou para Milão e por ter atuado como modelo no passado, acabou conseguindo um emprego no Giorgio Armani. Alguns anos depois foi transferido para o Brasil pela empresa, porém depois de já um tempo no país acabou indo trabalhar no Dolce & Gabbana e este foi seu último emprego corporativo. A Linking Dotz surgiu da união de 3 sócios (Rodrigo, seu irmão Álvaro e o amigo Anderson Presoto) e do desejo de criar uma marca e um produto o mais sustentável possível, porém também viável para conseguir beneficiar de fato todas as camadas da cadeia produtiva. Rodrigo aprendeu a costurar e no início foi ele mesmo quem costurou os primeiros pares de marca. Para garantir que os sapatos teriam o tecido mais sustentável possível, o algodão do cabedal é extraído de forma sustentável na Paraíba. Para tanto, Rodrigo passou 5 meses vivendo na região para entender o processo e trazer ele mesmo a matéria prima para São Paulo. Já os solados são de borracha 100% reciclável, as embalagens são feitas de resíduos domésticos, como barbeadores e escovas de dentes e as etiquetas feitas por mulheres de uma cooperativa. As estampas são escolhidas através de uma forma de “eleição” por uma plataforma online, em que artistas enviam seus desenhos e há uma votação. Nessa brincadeira, a marca já imprimiu estampas da Biba (loja londrina que já vestiu inúmeras celebridades no mundo), e artistas como o grafiteiro Binho Ribeiro e a designer francesa Laurence Dupin. Se tudo isso não bastasse, os donos ainda trabalham com a prefeitura de São Paulo ensinando mulheres a fazer cada etapa do sapato e com o Projeto Costurando Sonhos, que em parceria com o SENAI capacita mulheres da comunidade de Paraisópolis em São Paulo. Como um projeto destes jamais passaria despercebido, além de venderem em vários países, foram escolhidos pela renomada feira de sapatos italiana Micam como 1 entre os 12 novos melhores designers. Os reconhecimentos e aclamações não param por aí, e temos certeza que de sapato em sapato e Dotz vai mudar o mundo.  

Comente Aqui
Posts Anterior
Próximo Post