Cultura

A galeria carioca Simone Cadinelli participa da SP Foto Viewing Room .

01 dez 2020 • por Nina Kauffmann • 0 Comentários

A Simone Cadinelli Arte Contemporânea, galeria sediada em Ipanema, Rio de Janeiro, participa da segunda edição da SP Foto Viewing Room, feira online organizada pela SP-Arte, dedicada a fotos e vídeos, de 23 a 29 de novembro de 2020, disponível no link: https://www.sp-arte.com/viewing-room/projetos/simone-cadinelli-arte-contemporanea-167, e nas demais plataformas digitais da SP – Arte.

A galeria carioca apresenta fotografias e vídeos realizados a partir de pesquisas e processos diversos por onze artistas: Gabriela NoujaimIsabela Sá Roriz, Jeane TerraJimson VilelaLeandra Espírito SantoPV DiasRafael AdórjanRoberta CarvalhoÚrsula TautzVirgínia Di Lauro e Vitória Cribb. As obras trazem uma crítica “à reconstrução histórica, à disputa hierárquica social e racial em torno dos algoritmos, ao lugar imaginário e autorreferencial dos artistas”. Os trabalhos abordam ainda a criação da memória, muitas vezes de forma fragmentada e distópica, e a problemática em torno da condição de presença-ausência dos rios nas cidades”, informa a galeria. A fotografia é a principal linguagem técnica das obras selecionadas, e processos variados foram utilizados na construção dessas imagens, como videomapping, Realidade Aumentada, projeção sobre os corpos, intervenção em desenho digital, fotografia performada e transferência de imagem através da monotipia sobre “peles de tinta”.

Na seleção de trabalhos está a obra inédita “Transborda” (2020) de Roberta Carvalho. Paraense de Belém, Roberta mora em São Paulo, onde faz mestrado em artes na UNESP. Nascida em 1980, ela é a criadora do Festival Amazônia Mapping, projeto de arte e tecnologia no espaço urbano, que realiza grandes projeções no centro histórico de Belém, considerado o primeiro festival especificamente de videomapping no país. Na fotografia “Transborda” – impressão pigmentada sobre papel algodão – vê-se a projeção de imagens de grandes rios da Amazônia nas empenas de prédios em São Paulo. A artista começou a fazer este trabalho durante a quarentena, projetando nos prédios vizinhos a seu apartamento imagens coletadas por ela na Amazônia. 


Comente Aqui
Posts Anterior
Próximo Post