• Vanderbilt, socialite e modelo morre aos 95 anos

    Ela morreu em casa ao lado da família e de amigos, de acordo com o filho Anderson Cooper, âncora da...

    Leia mais

  • Wymann recicla sua história Por Paula Bedran

    Quem conhece Raquel Wymann, não imagina que ela é suíça (Raquel mudou para o Brasil há apenas dez anos e...

    Leia mais

  • A arte da superação

    A história de Abyner Gomez, de 23 anos, que começou a desenhar aos quatro anos Filho mais velho de um...

    Leia mais

  • O Preto Maravilha por Xico Gonçalves

    Quem consegue imaginar a atriz Audrey Hepburn sem o tubinho preto criado pelo costureiro francês Hubert de Givenchy, em 1961...

    Leia mais

  • Copa América promete carnaval fora de época no Rio de Janeiro

    A Copa América será realizada pela 5ª vez no Brasil e o Rio de Janeiro transformará o evento em um...

    Leia mais

Dior Alta Costura Primavera Verão Paris 2019
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Destaques, Moda

É um homem ou uma mulher? Nem um nem outro, é um clown*.”

O circo é um lugar fantástico. A imaginação de muitos artistas foi estimulada pelo fascínio por esse universo ao mesmo tempo encantador e bruto, poético e essencial.
Christian Dior adorava ir ao Cirque d’hiver, local onde Richard Avedon conseguiu capturar de forma extraordinária a essência do estilo de Monsieur Dior, com a famosa foto intitulada Dovima et les éléphants de 1955, uma imagem que evoca com perfeição a magia e a grandiosidade da Alta-Costura. Já em 1950, a televisão britânica havia realizado uma reportagem intitulada Dior “Circus” Comes to Town, em razão do desfile da Maison no Hotel Savoy, em Londres.
A temática do circo reaparece mais tarde na Dior sob a Direção Artística de John Galliano. Afinal, o desfile não é uma apresentação que se assemelha àquela que inaugura o espetáculo do circo? Os grandes artistas do século XX Pablo Picasso, Erik Satie, Serge de Diaghilev e Léonide Massine, reunidos em torno de Jean Cocteau – frequentador do circo Medrano, que tinha também Federico Fellini entre seus adeptos – criaram o balé Parade, na Itália, entre Roma – cidade natal de Maria Grazia Chiuri – e Nápoles, antes de apresentá-lo nos palcos parisienses em 1917.

Este fabuloso caos criativo é o ponto de partida de Maria Grazia Chiuri para esta coleção de Alta-Costura Primavera-Verão 2019. A sequência visual das peças que compõem a coleção ressalta a lembrança e o imaginário que envolvem o circo e sua relação com os costumes, com a moda e com a arte, evocando inclusive trabalhos de Cindy Sherman consagrados aos palhaços.
Esta coleção é constituída por uma sobreposição de imagens: a pele tatuada da mulher, que remete ao circo vitoriano e seus fenômenos extraordinários, torna-se um conjunto com motivos fantásticos que moldam o corpo e contam uma história sob os vestidos. As cores suaves que se apresentam e se misturam em uma paleta infinita – assim como as cores da cortina pintada por Pablo Picasso para o balé Parade – simbolizam também esse desgaste, essa poeira fina que cobre as roupas de palco. As saias bordadas ou incrustadas com paetês opacos são encurtadas, até se tornarem tutus que evocam os códigos do circo, com seus acrobatas, domadores e cavalarias.
Maria Grazia Chiuri traz à tona essa grande diversidade de imagens para compor sua própria “parada”, que conta com calças amplas, bem leves, justas no tornozelo e que podem se transformar em suntuosos conjuntos. Os shorts são associados a camisas brancas transparentes realçadas por collerettes ou fitas que parecem desgastadas pelo tempo. Encontramos também espartilhos em couro, blusas de marinheiro e casacos pretos inspirados nos trajes dos domadores. A roupa geométrica do palhaço branco, sóbria ou luxuosa, é reinterpretada com novos materiais, bordados e proporções.

O desfile é ritmado pela performance da companhia circense feminina Mimbre, que em sua pesquisa constante de uma poética do inusitado, realça a confiança e os laços criados entre os corpos dos acrobatas.
O circo é apresentado como um lugar de inclusão, onde o palhaço, em sua dimensão andrógina e assexuada, expressa a possibilidade de uma igualdade. Seu olhar revela uma modernidade, e a beleza, as origens, o gênero ou a idade já não contam mais, mas sim a técnica e a audácia.

* Citação extraída da obra Le Costume de clown blanc, Gérard Vicaire la passion pour seul habit, de Sylvie Nguimfack-Perault (Edições Chapitre Douze, 2016).

26
jan
2019
Elie Saab alta costura Paris 2019
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Destaques, Moda

Elie Saab, é sempre elegante e repleto de vestidos maravilhosos! O desfile aconteceu , na semana de alta-custura de Paris, com a coleção primavera/verão 2019 (e está impecável). Não tem como não amar!!

info@imaxtree.com

info@imaxtree.com

26
jan
2019
Haute Couture Paris 2019 – Zuhair Murad
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Destaques, Moda

A semana de alta-costura em Paris 2019 foi um arraso !!!! E hoje quero compartilhar com vocês o destile de Zuhair Murad, que sempre impressiona a cada coleção. Fico encantada com tantos vestidos lindos! Fica a dica e inspiração para vocês .

26
jan
2019