• A Madeirado agora é Carioca

    Ontem ( 23/05)a Madeirado , maior loja de móveis de madeira maciça do Brasil, em plena expansão inaugurou sua primeira...

    Leia mais

  • Diesel arma uma festa de lançamento do novo smartwatch pilotada por Rafael Zulu

    No dia 21.05, terça-feira, a Diesel armou uma festa de lançamento de seu novo smartwatch pilotada pelo embaixador da marca...

    Leia mais

  • MIL E UMA UTILIDADES Por Xico Gonçalves

    CAMISA A camisa realmente é tudo. É a conexão de vários mundos, um consenso de se vestir elegantemente e ainda...

    Leia mais

  • Tarde de Estilo e Doação

    Ontem 16/05) foi dia de juntar forças em prol da Ong One By One , eu e Marta Isaksen convidamos...

    Leia mais

  • Rio Design Leblon Inaugura Exposição de Fotos

    O Rio Design Leblon comemorou nesta quarta-feira a inauguração da mostra de fotos do projeto Trends, com o tema Novos...

    Leia mais

Alfaiatarias também é sustentabilidade Por Paula Bedran
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Moda
Para quem conhece bem a Itália, o nome já entrega o DNA da marca Terno D’Isola. Inspirada nessa cidadezinha medieval do norte da Itália, aonde as construções medievais se mixturam com as modernas, é assim que a Terno d’Isola gosta de ser identificada: uma combinação de cortes clássicos e, obviamente, atemporais com tecidos e texturas modernas, sempre prezando pelo conforto. Cacá, dona da marca que já está ha quase 3 anos no mercado é altamente criteriosa com o corte de suas peças, algo que se torna evidente nas suas modelagens únicas que se tornam peças-desejo uma a uma a cada estação. A marca ainda não se considera 100% sustentável pois o controle de qualidade interno é tão alto, que se não estiver tudo ao pé da letra, não é suficiente. E num país como o Brasil o processo rumo á sustentabilidade não é dos mais fáceis. Porém os tecidos são todos nobres e naturais, a maioria provindo de descartes de grandes empresas; o desperdício de tecido é o menor possível e a variedade de modelos é a suficiente, nem alta demais nem baixa demais, se atendo assim ao verdadeiro propósito do slow fashion cujo principal objetivo é o desperdício zero.
A marca pode ser encontrada no seu ateliê em São Paulo: Rua Costa Carvalho, 109, Pinheiros ou no e-commerce: www.ternodisola.com.br
24
maio
2019
A Madeirado agora é Carioca
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Destaques, Eventos
    1. Ontem ( 23/05)a Madeirado , maior loja de móveis de madeira maciça do Brasil, em plena expansão inaugurou sua primeira loja na cidade maravilhosa, Rio de Janeiro!
    1. Com peças exclusivas tanto a pronta entrega quanto feitas sob medida, a empresa paulista tem sua nova unidade no Recreio dos Bandeirantes, em uma loja com mais de 1.000 metros quadrados com diversas opções de peças. Além disso conta com um ambiente decorado para facilitar a visualização delas nos projetos de clientes e arquitetos.
    1. Utilizando apenas a madeira maciça, um material de fácil harmonização e que se tornou coringa por ter muita presença e personalidade. Oferecem o melhor da decoração rústica para todos os ambientes, sendo elas mesas de centro, aparadores, bancadas, bancos, mesa de jantar, bases de raiz, entre outras.Além de terem opções a pronta entrega, tem como você personalizar o seu móvel por completo, desde o tom até os detalhes no tampo e bordas, realmente algo exclusivo em todos os sentidos!E o mais interessante é que todas as peças são fabricadas com madeiras de área de manejo sustentável certificadas pelo IBAMA. E há 2 anos foi criada por eles, uma campanha de que reforça a política de sustentabilidade da empresa onde a cada 1 peça vendida 2 árvores são plantadas na Amazônia, em parceria com ONGs locais. Além disso a própria equipe da Madeirado, realiza plantios com diversas outras ONGs pelo Brasil!
    1. Confira quem passou ontem no coquetel de inauguração.

 

    1. Fotos By Selmy

24
maio
2019
Prêmio de Dança Cesgranrio
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Cultura

A primeira edição do Prêmio Cesgranrio de Dança aconteceu no dia 21 de maio no Teatro Cesgranrio. Ana Botafogo, madrinha do prêmio, foi a apresentadora da noite. A cerimônia iniciou com a apresentação do balé Fauno. Em seguida, Ana apresentou o troféu que seria entregue aos vendedores da noite. O troféu leva o nome de Mercedes Batista, a primeira bailarina negra do Thetaro Municipal do Rio de Janeiro.

Das categorias previstas para esse ano, uma foi cancelada. Como não houve indicados para Intervenções em Espaços Urbanos, a Fundação Cesgranrio decidiu premiar dois vencedores na Categoria Especial.

O professor e pesquisador Paulo Melgaço anunciou os vendedores de Melhor Coreografia e Melhor Categoria Especial. O coreógrafo Alex Neoral venceu a categoria Melhor Coreografia, pelo trabalho em “Still Reich / Keto”. Na Categoria Especial, os vencedores foram Fabiano Carneiro, pela gestão artística do Teatro Cacilda Becker e o Coletivo Negraação, pelo trabalho de promoção das danças negras.

O coreógrafo Renato Vieira entregou o prêmio de Melhor bailarino para Tiago Oliveira (Fauno) e de Melhor Bailarina para Marina Salomon (Natsu). Carlinhos de Jesus entregou o Prêmio de Melhor Espetáculo para In(in)Terrupto, da Companhia Híbrida.

A homenageada da primeira edição do Prêmio Cesgranrio de Dança foi a ex-bailarina, coreógrafa e professora de balé Tatiana Leskova. Naturalizada brasileira, Tatiana Leskova mora no Brasil desde 1944. Ela fez parte do Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro nos anos 1950, e criou uma escola de dança responsável por formar diversos bailarinos profissionais. Tatiana dedicou a vida para a dança e, aos 96 anos, ainda está em atividade.

– Estou muito feliz em receber esta homenagem, da primeira edição deste prêmio. Desejo que os profissionais tenham uma vida plena na dança como eu tive. A minha vida é aqui no Rio, no Theatro Municipal. Eu amo aquele teatro. Ele é a minha vida. Muito obrigada, – finalizou Tatiana fazendo reverência de bailarina para Carlos Alberto Serpa, presidente da Fundação Cesgranrio.

Em seguida, Serpa agradeceu a Ana Botafogo pelo empenho no Prêmio Cegsranrio de Dança.

– Quem conhece a Ana sabe que ela é uma figura magnífica. E agora, como se faz no balé, agradecendo muito a colaboração que você deu como nunca para que este prêmio existisse, eu faço a você uma reverência.

– Eu que agradeço a você, Serpa, em nome da Dança, por lançar esse prêmio tão importante para a cultura, – disse Ana.

Durante a noite, intervenções artísticas de diferentes estilos de dança foram apresentadas com sapateado, duo de dança negra e dança urbana e trio de dança contemporânea com bailarinos e musicistas.
Os vencedores de 2018 foram escolhidos pelo júri formado por Adriana Pavlova, Marcelo Misailidis, Paula Mori, Caio Nunes e Rubens Barbot.

Fotos Marcelo Borgongino

22
maio
2019