• MARZIO PETRUCCI LANÇA ITALIANA PRETRUCCI DE BOLSAS NO RIO DE JANEIRO

    Marzio Petrucci lançou a italiana Petrucci de bolsas,no Rio de Janeiro. A estreia carioca foi ontem no espaço Edu Santos...

    Leia mais

  • Zinzane lança preview de inverno com ensaio feito em Paris

    Uma mala cheia de maxi estampas, alegres e bem coloridas, com fundos em tons escuros. Foi nesse espírito que a...

    Leia mais

  • Oceano em desfile Por Xico Gonçalves

    Na África, os tuaregues -nômades que vivem entre as dunas do deserto do Saara, são chamados de “ Povo Azul”....

    Leia mais

  • VIPs celebram à vinda do premiado velejador britânico Alex Thomson ao Brasil

    A marca HUGO BOSS, reconhecida por suas atividades de patrocínio em diferentes modalidades esportivas como golfe, futebol, automobilismo e vela,...

    Leia mais

  • Presentation Maria Pavan no Espaço de Edu Santos

    Na tarde de 12 /03 recebi minhas convidadas na Presentation ,da grife com reconhecimento internacional Maria Pavan no espaço do...

    Leia mais

A Modinha que não sai de Moda”
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Cultura

Única apresentação, Domingo, 11 de novembro às 11h30

“Municipal a um real”

O Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta o espetáculo músico-teatral ganhador do Prêmio de “Advento Cultural não Governamental” em 2016, concedido pelo Congresso da Sociedade de Cultura Latina – Seção Brasil.

Nascida no Brasil, no coração do Rio de Janeiro, por volta da segunda metade do século XVII, a Modinha foi apresentada à corte de Lisboa pelo poeta, compositor, cantor e violeiro carioca Domingos Caldas Barbosa (1740-1800). O grande sucesso alcançado levou músicos eruditos portugueses a adotá-las, adicionando-lhes características da ópera italiana. Assim, ela retorna ao Brasil, trazida por músicos portugueses no início do século XIX, com a chegada de D. João VI e sua corte ao Rio de Janeiro. No final do século XIX e início do XX, a Modinha ganha as ruas como música para serenata. Quando a “era do rádio” tem início, a modinha quase desaparece, ressurgindo nas obras de ilustres compositores cariocas e contemporâneos como Vinicius de Moraes, Tom Jobim, Sergio Bittencourt e Chico Buarque.

Embora realmente tenha havido uma diminuição considerável na produção de Modinhas, ousamos contradizer o musicólogo Mario de Andrade que, na década de 30, afirmava: “Mas a Moda se acabou, morta de saciedade em pleno mel”. Não, a Modinha não se acabou ali. Foi posta de lado e voltou à moda tempos depois. Os cariocas Vinicius de Moraes, Tom Jobim e Chico Buarque compuseram Modinhas. A Modinha não saiu de moda porque o amor e o romantismo rasgado não saíram de moda. Surgiu no Brasil colonial, atravessou o Império, adentrou a República e embora tenha perdido espaço, volta e meia ressurge, e é regravada.

O espetáculo “A Modinha que não sai de Moda” pretende apresentar, em aproximadamente uma hora de espetáculo, um selecionado repertório de modinhas compostas em todos os períodos de sua longa existência. As intérpretes mostrarão exemplos de vários tipos de Modinhas, com um roteiro teatral dinâmico e informativo, acompanhadas de piano, seguindo de perto sua cronologia, para que o público possa acompanhar as transformações e variações melódicas que a Modinha sofreu ao longo de quase 300 anos de história. Acompanhando a evolução do gênero brasileiro, podemos quase afirmar que a Modinha também seja carioca. O repertório conta com “Modinhas Coloniais”, “Modinhas Imperiais” e “Modinhas Modernas”, sempre apresentadas em forma teatral, sob a direção cênica de Sergio di Paula e com figurinos de cada época.

Ficha técnica:

Texto teatral: Criação e concepção de Magda Belloti

Direção Cênica: Sergio di Paula

Arranjos vocais: Helen Heinzle

Piano: Rejane Ruas

Figurinos: Coema Loureiro

Fotos: Rebecca Heinzle

Intérpretes:

Solistas do Coro do Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Sopranos: Magda Belloti e Helen Heinzle

Mezzo-soprano: Lara Cavalcanti

Contralto e piano: Rejane Ruas

31
out
2018