• Volume Maciço por Xico Gonçalves

    O “BOUFFANT” ESTÁ DE VOLTA Cabelos inflados apareceram nas coleções de inverno sinalizando a volta dos cabelões. A modelo Grace...

    Leia mais

  • Harper’s Bazaar Brasil agita Fasano em Ipanema

    Um dos selos de moda mais importantes do mundo a Harper’s Bazaar Brasil, que tem Patrícia Carta como Publisher, fez...

    Leia mais

  • VALENTINO ALTA COSTURA OUTONO INVERNO 2019/20 UMA ODE À BELEZA SINGULAR Por Xico Gonçalves

    Um desfile de brilhar os olhos. A celebração do único e do trabalho artístico da couture. Pierpaolo Piccioli não se...

    Leia mais

  • O apartamento de Coco Chanel foi a inspiração para desfile de alta costura em Paris esta semana

    No desfile da Chanel nesta semana de alta costura em Paris, colocou sua coleção em uma biblioteca inspirada na do...

    Leia mais

  • O preto reinou no desfile de alta costura da Dior

    Rolou nesta segunda-feira (1º de julho de 2019) o desfile de alta-costura da Dior, que faz parte da Semana de...

    Leia mais

A arte da superação
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Cultura, Destaques

A história de Abyner Gomez, de 23 anos, que começou a desenhar aos quatro anos

Filho mais velho de um pedreiro e uma dona de casa, Abyner chamou a atenção dos professores com apenas quatro anos ao fazer um desenho da Pequena Sereia, filme lançado na época.

Com poucos recursos, a família nunca pode comprar material para incentivar o talento do menino, como orientado pela direção do colégio. Mas, a mãe decidiu vender cosméticos para comprar uma caixa de lápis de cor para o filho. Os desenhos eram feitos em folhas A4, que ele recebia no colégio. Ou qualquer folha em branco que aparecesse em sua frente, como primeiras e últimas páginas de livros.

Abyner não enfrentou apenas dificuldades financeiras. Ele sofreu bullying. Aos 17 anos, incentivado por alguns professores e colegas, decidiu escrever um livro em mangá, que teria 100 páginas. Quando estava com pouco mais de 60 páginas produzidas, a professora de Matemática cansou de ver o menino dedicar-se mais aos desenhos do que às contas, rasgou todas as folhas e o expulsou da sala, inclusive jogou os lápis de cor, comprados com tanto esforço pela mãe, no chão.

O caso desanimou o menino, que ficou um tempo sem desenhar. Mas o talento falou mais alto e, quando Abyner se mudou para o interior do Rio de Janeiro, aos 18 anos, começou a ganhar dinheiro com seu trabalho. O perfil no Instagram recebia cada vez mais seguidores, que encomendavam desenhos.

E foi assim que conheceu Christiano Nascimento, produtor teatral, que procurava um artista que produzisse o programa de uma peça com desenhos. Quando ele conheceu o talento e a história de Abyner, decidiu investir no menino.

Técnica

Autodidata, Abyner aprendeu a desenhar sozinho. Toda sua técnica é fruto do seu talento nato. Nunca fez um curso de desenho ou estudou arte.

– Desenhar era um refúgio para mim. Era uma maneira de fugir dos problemas como a falta de recursos dos meus pais e o bullying na escola, – conta.

Christiano incentivou o jovem a ler e a tentar novas técnicas e, hoje, Abyner faz pinturas a óleo.
Fotos Marcelo Borgongino

15
jun
2019