• Miu Miu Croisiere 2019 Por Xico Gonçalves

    A Miu Miu é a linha jovem da famosa etiqueta Prada, desenhada para a nova geração de clientes. Mas as...

    Leia mais

  • Lançamento do livro PELE reúne famosos como Xuxa e Flávia Alessandra, no Rio

    Neste sábado, dia 08 de dezembro, o fotógrafo Brunno Rangel e o diretor criativo Marcelo Feitosa lançaram o livro PELE,...

    Leia mais

  • Almoço de Aniversario de Cristina Aboim para 80 convidados. no Edifício Caparaó em Botafogo.

    Cristiana Aboim , comemorou seu aniversário ontem (07/12)  cercada de amigas do coração ,e surpreendeu a todas oferecendo em seu...

    Leia mais

  • A Artista Plástica Malu Rogers lança peças exclusivas na loja LAFORT VillageMall

    Com objetivo de arrecadar verba para o projeto Art Connection (Idealizado pela artista, projeto que tem como objetivo levar arte-tela,...

    Leia mais

  • Niver Renata Fraga

    Para quem nasceu em 31/12, gostar de festa é um detalhe, comemorar seu aniversário com algumas semanas de antecedência, nenhum...

    Leia mais

A volta da pochete e como usar hoje Por Xico Gonçalves
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Destaques, Moda, Novidades

Símbolo do mau-gosto até pouco tempo, as bolsinhas de cintura pochete voltaram em versões coloridas, metalizadas, estampadas e matérias primas de luxo.
A pochete, batizada modernamente de “belt bag” ou “fanny pack”, apareceu nas cinturas em coleções de várias grifes.
Foi mega famosa nos anos 1980/90 e repentinamente passou a ser símbolo do brega.
Que a moda é cíclica todo mundo sabe.
É só reparar na quantidade de vezes que os estilistas recorrem a sucessos do passado para criar suas coleções atuais.
Muitas peças consideradas cafonas foram ressuscitadas pelas marcas mais influentes e ganharam sobrevida graças a esse ciclo da moda.
Agora é a vez da pochete.

A pochete existe há mais de 500 anos
Não há como negar a praticidade deste acessório, que apesar de um pequeno acessório, guarda uma longa história.
No século XII os “modernos” já vestiam pochetes.
Bolsas retangulares eram presas aos cintos e usadas por homens e mulheres.
Um trecho da descrição do cronista florentino Giovanni Villani (1280-1348) prova a existência da peça.
“Nesses tempos as gentes começaram a mudar de hábitos e roupas desmesuradamente. (…) começaram a usar roupas apertadas à moda catalã, colares e bolsinhas na cintura, e na cabeça, a vestir chapéus sobre o capuz. (…)”
Nesta época a pochete, ainda chamada de pockets, se tornou um acessório de moda e começou a ser mais elaborada e enfeitada.
No século XIII a peça ganhou um up grade e foi rebatizada de chatelâines (nome francês, alias, pochete, que vem de pochette, também é francês).
A nova versão tinha correntes de prata e era usada para carregar objetos práticos e de valor, já com status e valor fashion.

Mania de você
Na década de 1980 e 1990 a pochete viralizou.
Em muitas cores e materiais, todo mundo usava, até se transformar em acessório brega.
Diferente de uma roupa que apenas sai de moda e vai para o fundo do armário, a pochete foi banida com estardalhaço.
Depois de muitas décadas de bulling, as coleções atuais e ruas descoladas trouxeram o acessório à cena.
Esse acessório sempre traz um diferencial a mais para o visual, pois foge do senso comum e exige atitude para usar.

Acessório it
A pochete é solução ideal para mulher “on the go”, que tem uma agenda busy e não tem tempo a perder e nem quer ter preocupações do tipo: onde eu deixei minha bolsa?
A peça foi ressuscitada com a onda esportiva que tomou o mundo fashion na temporada de verão 2014, quando a passarela de alta-costura da Chanel foi invadida por pochetes e outros itens inspirados no sportswear.
Foi proposta também do estilista Alexander Wang que juntou o utilitarismo presente na sua coleção à praticidade de se carregar tudo em uma bolsa acoplada à cintura.
Desde então, o acessório apareceu em marcas influentes como a Gucci e Dior, confirmando a tendência.
A badalada etiqueta americana Supreme criou pochetes desejo para a Louis Vuitton e para a marca própria.
Adote já
· Use enviesada no corpo com a bolsa na frente ou nas costas.
· O acessório é super útil para deixar as mãos e braços livres, além de forçar a carregar estritamente o necessário para sair.
· Quem ainda não está convencida, escolha um modelo pequeno e em cor neutra, como preta ou marrom.
· Qualquer bolsa pode virar pochete, é só ser pequena e estruturada
· Invista em modelos clean, não tão volumosos ou com materiais esportivos.
· Combina com jeans, shorts e até vestidos

Uma bolsa pequena também pode virar pochete
Se você não pretende investir em uma pochete, porque não comprar uma bolsa que também pode virar pochete?
Essa é, com certeza, a melhor solução para quem está em dúvida em aderir essa tendência.
Talvez você até tenha uma bolsa em casa que pode transformar em pochete.
Qualquer bolsa pequena e que tenha como ser amarrada na cintura pode se transformar em pochete.



30
jul
2018
NOVOS TALENTOS DO DESIGN BRASILEIRO abre ao público na próxima semana
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Destaques, Eventos, Novidades

3ª EDIÇÃO DA EXPOSIÇÃO “NOVOS TALENTOS DO DESIGN”
DOBROU DE TAMANHO E ACONTECERÁ, GRATUITAMENTE,
NO CASASHOPPING, NO RIO, DE 3 DE AGOSTO A 9 DE SETEMBRO

Acima, o idealizador da exposição Sandro Schuback e a designer de interiores Chris Bernardes, que assina a concepção do espaço
Ao todo, serão apresentados cerca de 100 peças,
entre móveis e luminárias, a maioria protótipos,
assinados por 98 designers de todo o Brasil,
entre arquitetos, designers de produto e de interiores
formandos, recém-formados e profissionais em início de carreira

Acima, a cadeira Enai, assinda por Daiane Camargo, está entre os destaques da exposição.

Luminária que reproduz poste de luz, caracol ou pipa; cadeira que vira mesa; banquinho inspirado no tear da renda de bilro, assento coberto com bolinhas de tênis; estante adaptada para gato; mesa de vergalhão de obra; banco com silhueta de gorila; abajur feito com peças de engrenagem de maquinário; móveis com visual escandinavo; peças produzidas com marcenaria tradicional de encaixe. Estas são algumas das 90 ideias que apresentadas na 3ª edição da NOVOS TALENTOS BRASILEIROS – DESIGN & ARTE, exposição patrocinada pela Lorenzetti que dobrou de tamanho em relação à edição anterior para receber, além de criações cariocas, peças assinadas por designers do Brasil inteiro.

Outra novidade desta edição é o evento paralelo UM BANQUINHO PARA CHAMAR DE SEU, integrado por 30 peças. “Banquinhos são peças-coringa na decoração, ou, no popular, pau para toda obra. Funcionam como assentos mais baixos em qualquer cômodo da casa, servem para apoiar os pés, fazem as vezes de mesa de centro ou lateral. Costumam ser mais leves e mais fáceis de transportar que outros móveis e de custo mais acessível. Por isso, este ano resolvemos dedicar um espaço na exposição especialmente para eles”, explica Sandro Schuback, idealizador do projeto.

Também integram o evento paralelo 10 banquinhos Carioquinha fornecidos pela Americanas.com, customizados por designers cariocas que participaram da edição anterior. Eles tiveram total liberdade para criar, valendo desde interferir diretamente na superfície do móvel como também promover acréscimos e até trocar sua função ou acrescentar uma nova.

Entre os designers expositores, há formandos, recém-formados e profissionais em início de carreira de áreas como arquitetura e urbanismo, design de interiores, design de produto, lighting design, design gráfico, engenharia, marcenaria. “A exposição surgiu com o propósito de dar visibilidade a recém-formados e estudantes da área de design de produto, bem como a profissionais que estão despontando neste mercado, abrindo espaço para que possam apresentar suas criações em fase de prototipagem ou em recente linha de produção, tanto ao público como ao mercado de decoração. Queremos democratizar o acesso deles ao mercado formal e criar oportunidades na indústria e no mercado moveleiro. Alguns designers já produzem suas criações de forma artesanal e em pequena escala”, conta Sandro Schuback.

Coube à designer de interiores e cenógrafa Cris Bernardes projetar, em 120m2, o espaço que abriga a exposição. “As peças estão expostas sobre módulos quadrados com diferentes alturas e diversos tons de cinza, formando, no piso, uma espécie de jogo Tétris em degradê monocromático. O clima lúdico ganha reforço com a revoada de móbiles de pássaros aramados do artista plástico Roberto Romero, em tons quentes, como que convidando os visitantes a embarcarem numa viagem de criatividade e inovação. Para destacar as peças, usei luminárias pendentes com cúpulas produzidas pelo designer Carlos André Vaz, à frente da DRUM, a partir de extintores de incêndio cortados ao meio, no melhor estilo industrial upcycling”, conta ela.

Pelo terceiro ano consecutivo, a exposição conta com o patrocínio da Lorenzetti*, que também vai premiar as nove melhores peças da exposição em três categorias (luminárias, banquinhos e mobiliário em geral) com o chuveiro Acqua Duo, contemplado duas vezes consecutivas com o Prêmio de Design do Museu da Casa Brasileira.

Com entrada gratuita, a exposição NOVOS TALENTOS BRASILEIROS – DESIGN & ARTE abre à visitação pública de 3 de agosto a 9 de setembro, no CasaShopping, paralelamente à mostra de decoração Morar Mais por Menos.

3ª edição da exposição NOVOS TALENTOS BRASILEIROS – DESIGN & ARTE
· Visitação: de 3 de agosto a 9 de setembro
· Local: CasaShopping (Avenida Ayrton Senna, 2.150, bloco P), Barra da Tijuca – RJ.
· Entrada gratuita.

Abaixo, luminária Poste assinada por Bloco B arquitetura + Baobá Design:

Abaixo, cadeira Vortex assinada por Luciana Teixeira:


Abaixo ,poltrona Magrela assinada pelo designer Andre Lenza :

Abaixo, luminária Caracola assinada por Cristiano Bottini:

Abaixo , cadeira Enai assinada por Daiane Camargo:

Abaixo, banqueta Pireo assinada por Natalia Scarpati, Anna Chirico e Adriana Rodrigues:

Abaixo, criado-mudo Conecta assinado por Pollyana Navarro:

Abaixo, cadeira Dobra assinada por Karin Matzkeit:

Abaixo, painel modular Coleção Reverso assinado por Manuela Souza Leão :

Abaixo, estante-divisória articulada Cambiant assinada por Ana Farias, Elen Nascimento, Maiara Heusi e Marcela Ribas:

Abaixo, luminária pendente Cúpula Esqueleto assinada por Renata Fernandes:

Abaixo, Designer Edgar Carvalho e sua coleção de móveis infantis Grow, que acompanham o crescimento das crianças:

Abaixo, mesa Arreda feita com vergalhão de ferro assinada por Francisco Oliveira:

Abaixo, luminária de parede Pipa assinada por Francisco Oliveira:

Abaixo, móvel multifuncional LUDI assinado por Miranda Gleiser:

Abaixo, mesa lateral Nexus assinada por Marlon Ferraz:

Abaixo, luminária São João assinada por Francisco Oliveira:

Abaixo, armário Pau de Arara assinada pelo designer Dimitri Buriti:

Abaixo, cadeira Tóin assinada pelo designer Pedro Muniz:

Abaixo, luminária de piso 30 M.P.A. assinada pelos designers Giovanne Mafra e Guto Delgado:

Abaixo, poltrona Ella assinada pelo designer Henrique Canella:

Abaixo, luminária Aranha assinada pelos designers Sidnei Santos, Ralf Fogaça, Vagner Cunha, André Maeda, Paulo Saloni, da Total Design Art:

Abaixo, abajur Maquinário assinado pela designer Tuani Meirelles, da InSana Design Industrial:

Abaixo, arara Giraffe assinada pelo designer Lucas Ghaty:

Abaixo, banco Estrada assinado pelo designer Ney Almeida:

Abaixo, banco Giro assinado pelo designer Tiago Escher, do Estúdio Cruzeta:

Abaixo, banco Gorilla assinado pelo designer Márcio Lima:

Abaixo, banco Muié Rendeira assinado pelo designer Adolfo Pallandra:

Abaixo, banco Pandeiro assinado pelos designers Jaildo Lima e Leandra Fernandez, do Studio Alfaia:

Abaixo, banco Pinguela assinado pelo designer Francisco Oliveira:
Abaixo, mesa de centro Balanço assinada pela designer Julia Machado:

Abaixo, banco Nimo assinado pelo designer Kalvin Piletti:

Abaixo, mesa de cabeceira Mi assinada pela designer Michele Bahiense:

Abaixo, mesinha Thai e cama Talarico assinada pela designer Moira Lynch:

Abaixo, banco Carcará assinado pelo designer Daniel Petersen:

Abaixo, luminária pendente k001.2 assinada pelo designer Vinicius Ladívez:

30
jul
2018
COLETIVO CARANDAÍ 25 FAZ SUA ESTREIA NA BARRA COM EVENTO NO VILLAGEMALL
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Destaques, Eventos, Gastronomia, Moda, Novidades

Movimento de pequenos produtores de moda capitaneado por Tatiana Accioli, o Coletivo Carandaí 25 realizou ontem, dia 26, sua estreia na Barra da Tijuca com evento no VillageMall. Com lista assinada pela dupla de rp’s Nina Kauffman e Ana Paula Barbosa, o coquetel de abertura reuniu grande público . Para essa edição especial, são 85 marcas envolvidas, entre elas Manu Manu, Bossa Social, EMI Beachwear, Carol Mac Dowell, BarbaraH, Renata Alt, Annaka, LOV2Wear e Club Resort. Integram o grupo também expositores da Feira na Rosenbaum, de São Paulo.

O evento continua nos próximos dias, até domingo, 29 de julho, e conta com programação musical com curadoria de Fabio Santanna, gastronomia e palestras de convidados da Agenda Carioca, da jornalista Antonia Leite Barbosa.
Fotos Giane Carvalho


27
jul
2018