• VIPs celebram à vinda do premiado velejador britânico Alex Thomson ao Brasil

    A marca HUGO BOSS, reconhecida por suas atividades de patrocínio em diferentes modalidades esportivas como golfe, futebol, automobilismo e vela,...

    Leia mais

  • Presentation Maria Pavan no Espaço de Edu Santos

    Na tarde de 12 /03 recebi minhas convidadas na Presentation ,da grife com reconhecimento internacional Maria Pavan no espaço do...

    Leia mais

  • Pousada Maravista junto ao seu Spa promovem tarde de Beleza , Saúde e Bem Estar.

    A Pousada Maravista localizada na praia de Geribá em Búzios , conta agora com um serviço de Spa e ontem...

    Leia mais

  • Café da manhã da Associação dos Embaixadores de Turismo do Rio, no Hotel Sofitel Ipanema.

    Diplomatas de 22 países reuniram-se hoje no Sofitel Ipanema para um café da manhã, ciceroneando por Bayard Boiteux, vice presidente...

    Leia mais

  • Visual Combinadinho Por Xico Gonçalves

    Uma cor única no visual pintou muitas vezes nas coleções mostradas na Semana de Moda de Paris, para o inverno...

    Leia mais

Visita da rainha do Congo à Casa França-Brasil
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Cultura

Rainha da República Democrática do Congo será recebida na Casa França-Brasil nesta segunda-feira
Turnê de Diambi Kabatusuila pelo Brasil marca o primeiro encontro de uma soberana bantu com seus descendentes após a escravidão colonial
Coroada como governante do povo Bena Tshiyamba de Bakwa Indu, na República Democrática do Congo, em 31 de agosto de 2016, a rainha Diambi Kabatusuila, que está em turnê pelo Brasil, será homenageada nesta segunda (11/03), na Casa França-Brasil. Ela já passou por Salvador, na Bahia, onde desembarcou dia 27 de fevereiro, e por Belo Horizonte. Depois do Rio de Janeiro, segue para São Paulo, de onde volta dia 15 para Kinshasa, capital do seu país.
O Congo faz parte do grupo de países de origem bantu, primeira etnia de africanos que veio escravizada para o Brasil e de enorme importância para a formação da nossa linguagem, culinária, formação do samba, capoeira e nas práticas medicinais e ritualísticas que favoreceram o nascimento da umbanda. A rainha congolesa, detentora do título de Diambi Mukalenga Mukaji Wa Nkashama (Rainha do Ordem do Leopardo), desde muito jovem mostrou interesse pelas questões de restauração da identidade africana. Um de seus principais projetos, além de comandar uma empresa de desenvolvimento rural de Kasaï Central, é buscar alianças para mudar a narrativa sobre o povo africano pelo mundo.
“As expressões das culturas africanas foram tão brutalmente reprimidas e demonizadas durante vários séculos, com o único propósito de explorar os africanos e suas terras, que muitos africanos perderam o senso de si e o que significa ser africano hoje. Os africanos em todo o mundo acostumaram-se a acreditar que não são dignos e que a única maneira de melhorar sua vida é adotar e imitar todos os padrões do Ocidente para reger todos”, observa.

Nascida na Bélgica, filha de mãe belga e pai congolês diplomata, a rainha Diambi é doutora em direito e filosofia e mestre em psicologia aplicada. Também possui formação de professora de matemática e francês e é bacharel em finanças e economia, tendo trabalhado durante vários anos como consultora econômica no Observatoire Social Européen, em Bruxelas, para a Comissão Europeia. A soberana fala seis idiomas, é mãe de dois filhos e tem um neto.

A visita da rainha Diambi e comitiva de mais de dez pessoas, composta por uma princesa, um príncipe e intelectuais, além de valorizar e celebrar povos e tradições africanos, também tem por objetivo promover encontros interculturais. Na Casa França-Brasil, lideranças indígenas ocuparão posição de destaque no evento.

Programação da recepção à Rainha Diambi Casa França-Brasil (equipamento da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa):

14h30 – Palavra do Secretário de Estado de Cultura e Economia Criativa, Ruan Fernandes Lira.
Cânticos Sagrados Indígenas: Weena Tikun – cantora indígena

14h50 – Cânticos Sagrados da Nação Kongo-Angola de Tumbondo Muna Nzo kongo dya Mayala (Homens da Casa Sagrado do Governo Kongo)

15h30 – Bateria Fina Batucada, sob a direção do mestre Riko, da Escola de Música Villa-Lobos

16h – Lançamento do livro “Índios na cidade do capital – Indígenas em contexto urbano na cidade do Rio de Janeiro em tempos de barbárie”, do escritor e doutor em serviço social William Berger

17h – Abertura da mesa “Etno-empreendedorismo, resistência étnica e qual é a sua raiz?

17h50 – Desfile de moda étnico-racial dos valores civilizatórios dos povos indígenas e africanos.

Casa França-Brasil – Rua Visconde de Itaboraí, 78 – Centro.

Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa

08
mar
2019
Côndor” abre a temporada 2019 do Theatro Municipal do Rio de Janeiro dia 15 de março
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Cultura

Última ópera escrita por Carlos Gomes terá o soprano Eliane Coelho e o tenor Fernando Portari como artistas convidados 

O Coro e a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro se unem para apresentar “Côndor”, a última ópera escrita por Carlos Gomes. O espetáculo de abertura da temporada de 2019, dia 15 de março, terá uma nova récita dia 17 de março, ambas com a regência do maestro Luiz Fernando Malheiro. A montagem resgata a importância da derradeira ópera composta por Carlos Gomes, que estreou no Teatro alla Scala de Milão, em 1891.

“Côndor” é considerada hoje em dia, por críticos e amantes da música, uma das obras mais elaboradas do nosso mais famoso compositor de óperas. As duas apresentações marcarão o retorno do soprano Eliane Coelho aos palcos do Theatro, depois do grande sucesso de Jenufa e Tosca, em 2017, e os 30 anos de carreira do tenor carioca Fernando Portari.

No Brasil, a ópera foi encenada em 13 de agosto de 1891, no Teatro Lírico, e no Theatro Municipal em duas temporadas, em 1920 e 1944, esta última regida pelo maestro Eleazar de Carvalho. Portanto, há 75 anos não é montada em terras cariocas.

É uma oportunidade única de conhecer essa ópera da maturidade de Carlos Gomes, composta em curtíssimo espaço de tempo (em torno de cinco meses). Com orquestração refinada e melodia magistral, demonstra a genialidade do brasileiro – o “Selvagem da Ópera” – apontando novos caminhos para o desenvolvimento da ópera italiana.

O maestro Malheiro, além de ser o regente titular da OSTM, acumula a direção musical do Theatro Municipal nessa nova temporada, que se inicia em março. André Heller-Lopes está retornando à casa como diretor artístico.

Resumo da ópera: a abertura, que evoca o Oriente num delicado solo de harpa, mostra a rainha Odalea no seu reino de Samarcanda (no atual Uzbequistão), no século XVII. Os três atos se desenrolam a partir da paixão de Côndor, chefe do exército que invade o país, por Odalea, as tentativas da rainha de livrá-lo da ira do seu povo e a fúria das hordas inimigas ao saber que o seu líder é um traidor.

08
mar
2019
Abertura da exposição “Arquiteturas do Imaginário” na Galeria Nara Roesler do Rio de Janeiro
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Cultura, Eventos

Aconteceu ontem a abertura da exposição “Arquiteturas do Imaginário” na Galeria Nara Roesler do Rio de Janeiro. O evento foi a primeira coletiva desde 2017 e reuniu os grandes artistas Raul Mourão, Abraham Palatnik, Lucia Koch, Fabio Miguez, Eduardo Coimbra, Artur Lescher e Marcos Chaves, abrindo com chave de ouro o ano de 2019. A diretora Gabriela Moraes recebeu seus clientes e convidados em Ipanema para coquetel e drinks de fim de tarde.
Fotos Bruno Ryfer

15
fev
2019
1 2 3 20