• Volume Maciço por Xico Gonçalves

    O “BOUFFANT” ESTÁ DE VOLTA Cabelos inflados apareceram nas coleções de inverno sinalizando a volta dos cabelões. A modelo Grace...

    Leia mais

  • Harper’s Bazaar Brasil agita Fasano em Ipanema

    Um dos selos de moda mais importantes do mundo a Harper’s Bazaar Brasil, que tem Patrícia Carta como Publisher, fez...

    Leia mais

  • VALENTINO ALTA COSTURA OUTONO INVERNO 2019/20 UMA ODE À BELEZA SINGULAR Por Xico Gonçalves

    Um desfile de brilhar os olhos. A celebração do único e do trabalho artístico da couture. Pierpaolo Piccioli não se...

    Leia mais

  • O apartamento de Coco Chanel foi a inspiração para desfile de alta costura em Paris esta semana

    No desfile da Chanel nesta semana de alta costura em Paris, colocou sua coleção em uma biblioteca inspirada na do...

    Leia mais

  • O preto reinou no desfile de alta costura da Dior

    Rolou nesta segunda-feira (1º de julho de 2019) o desfile de alta-costura da Dior, que faz parte da Semana de...

    Leia mais

Abertura da exposição “Tobias Marcier”, na Galeria Evandro Carneiro Arte, no Gávea Trade Center.
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Cultura

Mostra reúne obras inéditas que serão expostas 37 anos após o falecimento do artista

Galeria Evandro Carneiro Arte apresenta de 27 de abril a 25 de maio a exposição Tobias Marcier. A mostra, que reunirá 45 obras, sendo 28 em acrílica e 17 aquarelas, é inédita ao público. Somente agora, 37 anos depois do precoce falecimento do artista, seu irmão Matias reuniu as obras que estiveram espalhadas por coleções ao longo desse período, escolhendo a Galeria de Evandro Carneiro Arte para realizar a exposição. Filho do artista Emeric Marcier, Tobias caracterizou-se por suas pinturas fantásticas e por retratar cenas e personagens de ruas, festas populares e armazéns do interior do Brasil. O artista, considerado na época um nome promissor nas artes visuais, participou de mostras coletivas e individuais no Brasil, em especial para as individuais ocorridas na Galeria Bonino (Rio de Janeiro, 1973 e 1975) e na Galeria Guignard (Belo Horizonte, 1977), que tiveram grande repercussão de público e de crítica.   

Sobre Tobias Marcier

 

Tobias Marcier nasceu em Barbacena, MG, em 20 de março de 1948. Desde pequeno mostrou-se inventivo e interessado em arte, ajudando seu pai no ateliê e confeccionando seus próprios brinquedos e suas ferramentas. Segundo seu irmão Matias, o artista “brincava só, pegando pedaços de vergalhão de ferro, nos quais batia com um martelo até virarem talhadeiras e ponteiras com que esculpia baixos relevos em tijolos maciços, pedra sabão, madeira etc. Daí saiam patinhos, pássaros e outras coisas, que remetiam à arte rupestre.” (Entrevista oral, 2019).

 

Em 1964, então com 16 anos e autodidata, teve seu talento reconhecido pelo famoso livreiro Trajan Coltescu da Nova Galeria de Arte (no Copacabana Palace), onde expôs seu trabalho escultórico com muito sucesso. Algum tempo depois, passou a dividir sua residência entre o Rio de Janeiro e Barbacena. Desde 1968 Tobias mergulhou na pintura, revelando, igualmente, enorme aptidão e criatividade. Pintava cada vez mais, quase sempre em tinta acrílica sobre tela, com temas figurativos e paisagens oníricas. Nesta época, participou de exposições coletivas nas galerias Irlandini (1969), Montmartre (1970) e Petite Galerie (1972). No mesmo período, fundou,  junto com Hugo Bidet e outros artistas, a Feira de Arte da Pça Gal. Osório, hoje transformada na diversificada Feira Hyppie,  que já não guarda as mesmas características daquela original, quando reunia bons artistas vendendo suas obras.

 

Em 1971 surgiu uma encomenda feita pelo arquiteto Edison Musa, de uma via sacra em madeira, realizada para Colégio São Luís, na Av. Paulista, em São Paulo. Sua abnegada dedicação a esta obra “deixou o piso do seu conjugado com 20 cm de lascas de mogno dos entalhes” (nos contou Matias, 2019), fazendo Tobias perceber que a escultura demandava grandes espaços, algo difícil para um jovem artista na cidade grande. Além disso, não havia no Rio de Janeiro a abundância de pedra sabão que há em Minas, seu material preferido para esculpir. 

 

Passou, então, a pintar mais e mais até que, em 1973 realizou a sua primeira exposição individual, na Galeria Bonino, com pinturas expressivas, como a tela “Alegoria da Primavera”, exposta agora na Galeria Evandro Carneiro Arte, dentre outras 44 obras do artista. Em 1974 participou de coletivas na Bolsa de Arte e na Petite Galerie. No ano seguinte, outra mostra individual na Bonino o consagrava como “pintor de narrativas fantásticas” (Antônio Bento, 1973, Catálogo da primeira exposição do artista na Galeria Bonino). Desta feita de 1975, destacamos a apresentação de Roberto Alvin Correa no catálogo da exposição e a obra “Mulher”, também reapresentada aqui. Realizou, ainda, uma individual na Galeria Guignard, em Belo Horizonte (1977), com grande sucesso de crítica e público.

 

Apesar da inegável dimensão fantástica em sua obra, Tobias também se caracterizou por retratar cenas e personagens de ruas, festas populares e armazéns do interior do Brasil. Além disso, Walmir Ayala nos lembra que havia nele uma “atenção às vozes primeiras, como seu pai, mas com a liberdade prodigiosa de ter sabido verter esta audição em vocabulário pessoal e renovado…” (Walmir Ayala, 1979, Catálogo da exposição do artista na Galeria B 75 Concorde, sua última em vida).

 

Ou seja, Tobias era um pintor com estilo próprio, uma carreira promissora e muitos planos para novos projetos. Em 1982, faria uma nova exposição na Concorde B75 no Rio, uma em Santa Catarina, organizada por George Racz e outras duas na França (Paris e Grenoble), através de seu então marchand Paulo Fernandes, quando uma fatalidade do destino o parou. Faleceu de um infarto fulminante, aos 33 anos. O choque foi tão profundo que só agora, 37 anos depois, seu irmão Matias “teve alma”, como ele diz, para reunir e apresentar ao público suas obras que estiveram espalhadas por coleções ao longo deste período. E escolheu a Galeria Evandro Carneiro Arte para expor 45 trabalhos de Tobias, sendo 28 telas em acrílica, 14 aquarelas e três desenhos. Vale revisitar esse grande artista!

29
abr
2019
PRESENTE AOS CARIOCAS: PRUDENTIAL DO BRASIL INAUGURA TEATRO PRUDENTIAL – SALA ADOLPHO BLOCH
Postado por Nina Kauffmann - Categorias: Cultura

Aos cariocas apaixonados por bons espetáculos, uma novidade: a cidade vai ganhar, a partir de maio, mais um polo cultural cheio de charme e elegância. É que a seguradora Prudential do Brasil, em parceria com a Aventura, anuncia a reabertura do antigo Teatro Manchete, na Glória. Agora, o espaço passa a se chamar Teatro Prudential – Sala Adolpho Bloch.

Com fachada assinada por ninguém menos que Oscar Niemeyer e paisagismo de Burle Marx, o teatro possui 359 lugares e um palco de 140m2. Foram investidos R$1,2 milhão para equipar e dar a excelência necessária ao espaço. Agora, o lugar adotou uma identidade azul, da Prudential, utilizando cerca de 1500 metros de veludo nas poltronas e cortina.

 

O Teatro Prudential – Sala Adolpho Bloch será reaberto com a peça “PI- Panorâmica Insana”, com direção de Bia Lessa, no dia 24 de maio. A peça tem no elenco Claudia Abreu, Leandra Leal, Luiz Henrique Nogueira e Rodrigo Pandolfo, com textos de Julia Spadaccini, Jô Bilac e André Santana. A Aventura é a responsável pela programação, que visa atender todos os públicos, incluindo peças infantis, shows e espetáculos diversos.

 

29
abr
2019